O que acontece no grupo Quimisa Notícias

Déficit em produtos químicos atinge US$ 14,9 bilhões no primeiro semestre de 2013

17/07/2013


Desonerações de PIS e Cofins de matérias-primas devem influenciar a balança comercial do setor no 2º semestre


As importações brasileiras de produtos químicos no primeiro semestre do ano atingiram US$ 22 bilhões, crescimento de 13,4% em relação a igual período de 2012 e um novo recorde para o período. No mês de junho foram importados US$ 3,9 bilhões, aumento de 2,2% em relação ao registrado em maio e de 9,9% se compararmos ao mês de junho de 2012. Nos últimos 12 meses (jul/12 a jun/13), as importações já alcançaram US$ 45,5 bilhões.

As exportações brasileiras de produtos químicos tiveram, no mês de junho, uma queda de 9,8% em relação a maio deste ano, totalizando US$ 1,1 bilhão. No agregado do primeiro semestre, as vendas externas somaram US$ 7 bilhões, queda de 5,1% em relação ao primeiro semestre do ano anterior. 

O déficit acumulado da balança comercial de produtos químicos atingiu US$ 14,9 bilhões no primeiro semestre deste ano. Nos últimos 12 meses, (jul/12 a jun/13), o déficit em produtos químicos é superior a US$ 31,1 bilhões, novamente um novo recorde para esse indicador.

Os intermediários para fertilizantes, com importações da ordem de US$ 4 bilhões no semestre e crescimento de 27,9% em relação a 2012, foram os mais importados neste ano. Em volume, estes mesmos produtos atingiram 9,8 milhões de toneladas no semestre. 

Nas exportações, apesar da queda de mais de 15% em relação ao ano anterior, as resinas termoplásticas foram os produtos mais exportados, atingindo US$ 955 milhões no semestre.

Segundo a diretora de Assuntos de Comércio Exterior da Abiquim, Denise Naranjo, as recentes desonerações promovidas pela Medida Provisória 613/2013 devem influenciar positivamente o déficit do setor no 2º semestre. Ainda de acordo com ela, os investimentos no segmento de fertilizantes também podem mudar o cenário atual: “No longo prazo os investimentos de empresas químicas, principalmente na área de intermediários para fertilizantes - responsável por cerca de US$ 9 bilhões de déficit anual, devem diminuir as importações do setor nos próximos anos e auxiliar na diminuição do déficit da balança comercial de produtos químicos”, explica Denise Naranjo.